Comunicação

Comunicação

Clipping

Profissões surgem para atender Terceira Idade13/08/2018

A expectativa de vida do brasileiro aumentou nos últimos anos. E se estão vivendo mais, as pessoas também querem produtos e serviços para melhorar a qualidade de vida e até aprender coisas novas. Diante desse cenário, o mercado de trabalho se abre para as oportunidades. Novas carreiras têm surgido para atender as necessidades dos mais velhos.

E profissões já consolidadas se adaptam para se adequar a essa nova realidade. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no Estado vivem 541.563 pessoas com mais de 60 anos. Essa população vai quase dobrar em 2038, alcançando 1.071.191. Isso mostra o potencial desse setor para o mundo dos negócios. Como querem estar conectados, os idosos começam a contratar “netos de aluguel” com intuito de aprender a usar o smartphone e as redes sociais.

Um bom exemplo de serviço que também tem se tornado relevante é o de acompanhante. Esse profissional tem a responsabilidade de levar o idoso numa consulta ou de cuidar dele enquanto está internado no hospital. Há ainda espaço para quem percebeu que esse público não quer ficar parado em casa. É o caso do personal trainer Marlon Neves [CREF 001042-G/ES] que começou dando aulas de hidroginástica e musculação para a terceira idade. “O idoso é mais fiel e não pratica atividade física por estética. Quer qualidade de vida. São alunos especiais porque buscam carinho e atenção. Procuro estar atento às novidades para atendê-los cada vez melhor.”

(...) A especialista em carreira Leiza Oliveira afirma que novas profissões têm surgido para atender essa crescente demanda do mercado. Segundo ela, uma delas é a de gerontologia, uma área que estuda o processo de envelhecimento humano. Essa ciência pode ajudar aqueles que buscam qualidade de vida e equilíbrio na saúde. Outra profissão em destaque é a de conselheiro de aposentadoria.

(...) Na opinião da psicóloga Janaína Seixas, para trabalhar com pessoas da terceira idade, o profissional precisa ter afinidade, além de entender que esse é um público que gosta de receber atenção e carinho. “É um mercado bem amplo e para se adaptar a ele é preciso buscar conhecimento.”

Empresas focam em atendimento personalizado

A busca por maior qualidade de vida fez aumentar a demanda por serviços cada vez mais especializados. Um bom exemplo são as casas de repouso e serviços de acompanhamento de idosos. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população com mais de 90 anos deve dobrar no Espírito Santo até 2030. Atualmente, o Estado conta com pelo menos 15.757 idosos com mais de 90 anos. Em 2030, o número deve chegar a 31.593.

O diretor de uma empresa de saúde domiciliar Cláudio Silva ressalta que o importante para um bom atendimento ao idoso, começa com o apoio e carinho da família, juntamente com a dedicação dos cuidadores. “Por conta da correria do dia a dia, muitos familiares contratam profissionais para cuidar dos seus idosos. E é aí que entram cuidadores, para acompanhar a rotina diária como higienização, administração de medicamentos, alimentação, entre outros. Os acompanhantes podem exercer a atividade em casa ou no hospital e ainda levar essa pessoa a uma consulta médica”, explica.

A empresa de Silva está no mercado há quatro anos. Além dos cuidadores há outros profissionais que fazem atendimento personalizado como fisioterapeuta e fonoaudiólogo. O diretor-geral de uma casa de repouso Alex Modenesi avalia que as características essenciais para atuar nesse ramo é ter paixão pelo que faz e respeito aos idosos. Por conta da demanda, ele investiu em um segundo estabelecimento. As duas unidades funcionam na Praia da Costa. “Aumentou muito a procura por esse tipo de serviço e decidimos expandir os negócios, com o objetivo de atender essa necessidade do mercado”, explica.

A proprietária de uma academia em Vitória Gisely Machado diz que há preocupação em oferecer orientação nas atividades físicas como musculação, pilates e mais recentemente em turmas de ioga e dança. “Fazemos treinamentos e capacitamos os professores para dar esse atendimento diferenciado. Observamos que o idoso mudou os hábitos.” 

O professor de marketing Henrique Hamerski diz que após a aposentadoria as pessoas da terceira idade ainda têm uma expectativa de vida de mais ou menos 20 anos. “Eles estão em busca de diversão. Por isso, há o aumento na procura de pacotes de viagens específicos, por exemplo”, destaca. Já a psicóloga Marianne Limonge lembra que o perfil do idoso de hoje em dia mudou, pois essas pessoas querem experiências novas. “Eles não querem ficar em casa esperando a vida passar. O que eles buscam é boa alimentação, atividade física e viajar. As empresas percebam essa nova demanda e passaram a oferecer serviços diferenciados para atender quem já passou dos 60 anos”, aponta.




Fonte: Gazeta Online